Artigos & Crônicas

A importância do bom atendimento

 

Conquistar e manter clientes são tarefas das mais difíceis para qualquer empresa. Os consumidores estão cada vez mais exigentes, as empresas são praticamente iguais e o mercado muitas vezes desleal.

As empresas que não se adequarem às novas realidades do mercado estarão sujeitas ao fracasso e, fracasso nas organizações significa falência.

Cabe aos empresários, diretores de empresas e a gerencia em geral tomarem às decisões para conquistar os clientes, mas, sobretudo, para mantê-los. De nada vale conquistar em um mês e perder no outro.

Estatísticas dão conta que um cliente satisfeito conta sobre a empresa ou o produto para apenas duas pessoas, já o cliente insatisfeito conta para cerca de dez pessoas. Não precisa ser nenhum P.h.d para saber o que é o melhor, oferecer ou não oferecer um bom atendimento aos seus clientes.

O banco deve atender bem seus correntistas; o supermercado deve atender bem seus consumidores; o seu Zé da padaria deve atender bem seus clientes; o político deve atender bem seus eleitores; o professor deve atender bem seus alunos…

Segundo uma pesquisa da US News And World Report, organização norte-americana que estuda o comportamento dos consumidores, cerca de 68% dos clientes não voltam à empresa ou não continuam a comprar determinado produto ou serviço por conta do péssimo atendimento do pessoal e pela má qualidade dos serviços prestados. De fato, o atendimento aos clientes é de suma importância para todas as organizações. A pergunta que fica é a seguinte: como você tem trabalhado o atendimento em sua empresa? Seus funcionários estão treinados e motivados para oferecer o melhor aos seus clientes?  Seus clientes falam bem de sua empresa? 

Portanto, esse é o grande desafio do século para as organizações, ou o atendimento aos clientes passa a ser prioridade ou muitas empresas vão perecer. Todos os colaboradores das organizações devem atuar para encantar os clientes, quanto mais encantados os clientes ficarem, maior será o retorno financeiro para todos. Superar as expectativas sempre, esse é o caminho!

E como vocês já sabem, cliente insatisfeito conta para dez pessoas e as satisfeitas para apenas duas pessoas. Em qual situação está o seu cliente, fala para dez ou para duas?

 

 

 

A importância do bom atendimento II

 

Vimos no artigo anterior que oferecer um bom atendimento aos clientes pode ser o divisor de águas, a diferença entre o sucesso e o fracasso. Podemos perceber também que se você oferecer um bom atendimento ao seu cliente, ele falará para apenas duas pessoas e se ao contrário, oferecer um mal atendimento, o mesmo cliente falará para cerca de dez pessoas.

O fato é que todas as pessoas que vendem, seja um produto, seja um serviço, devem olhar o atendimento ao cliente com olhos bem atentos. Aliás, com uma lupa se possível…

Na palestra proferida por mim, cujo tema é: Como ser um vendedor de sucesso – Os princípios básicos de vendas – elenco os cinco fatores decisivos na hora da compra, ou seja, o que faz o cliente comprar da empresa X e não da empresa Y.

Vejamos então cada um deles: em primeiro lugar vem à marca, o cliente leva em consideração no primeiro momento somente à marca, nada mais.  Ou seja, a calça que vou comprar pode até não ser boa, mas se tem marca, eu compro… A dica que dou é para que você invista pesadamente na marca de sua empresa.

Em segundo lugar no ranking temos os benefícios, ou seja, quais os benefícios o consumidor terá, por exemplo, em ir viajar na companhia aérea A e não na B. As duas não me levam ao mesmo aeroporto?! Sim, me levam, porém, na companhia A faço o vôo direto, já na B, tenho que fazer escalas, logo, a melhor é a A.

Em terceiro lugar vem a qualidade, vejam, a marca e os benefícios são mais importantes que a qualidade do serviço ou do produto.

Em quarto lugar aparece a conveniência. Porque um cliente vai comprar na padaria do outro lado da cidade, sendo que na esquina da casa dele tem uma padaria. E pasmem, somente em quinto lugar aparece o fator preço. Eis aqui um grande erro por da maioria dos vendedores, pois eles pensam que não vendem seus produtos ou serviços somente porque o preço está alto demais. A pesquisa acima demonstra o contrário. Nem sempre o menor preço é garantia de boas vendas, venda soluções, não produtos ou serviços.

Portanto, os vendedores, gerentes, donos de empresas e todas as pessoas que trabalhem com o público, devem se atentar para oferecer um bom atendimento aos seus clientes. Não podemos em nenhum momento nos descuidar desse assunto, quanto maior a nossa preocupação em oferecer serviços e produtos de qualidade, e com um ótimo atendimento, maior será a nossa clientela. E isso se traduzirá em ótimos lucros. No nosso próximo artigo daremos dicas práticas de como desenvolver um bom atendimento em sua organização. A pergunta continua: seu cliente fala para dez ou para duas pessoas sobre sua empresa?

 

 

 

 A importância do bom atendimento – Final

 

Vimos nos dois artigos anteriores alguns dados sobre como é de fundamental importância prestar um bom atendimento aos clientes para se manter no mercado. Seja a empresa, seja o vendedor.

Chegamos a conclusão que conquistar e manter clientes não é fácil, é preciso muita dedicação, estudo e pesquisa dos clientes e dos potenciais clientes. Observamos ainda, que um cliente satisfeito conta sobre a empresa e o produto para apenas duas pessoas, já o insatisfeito conta para cerca de dez. Certamente, você já sabe onde esta o seu cliente e onde ele deveria estar…

Vimos ainda que 68% dos clientes não voltam a comprar determinado produto ou usufruir determinado serviço por conta da péssima qualidade do atendimento. Vejam, 68% é um número absurdo e deve ser combatido pelos bons vendedores. Esse número não pode ser algo aceitável, nem aqui, nem na China, nem em lugar nenhum!

Os vendedores não devem ser vendedores por acaso. Eles devem ver a venda como missão e devem levá-la muito a sério. Trabalhar com vendas não é brincadeira. Não podemos ser amadores, vendedores amadores nos dias de hoje estão com os dias contatos.

Sempre enumero em quatro os princípios básicos para ser um vendedor de sucesso, quais sejam: Gostar de gente; sentir-se feliz em criar relacionamentos; ser criativo e trabalhar duro.

Se você tem esses quatro princípios 50% do seu sucesso como vendedor está garantido. O resto é apenas fazer a “lição de casa” corretamente. Para isso é preciso investir em estudo, treinamento, leitura e conversas com vendedores mais experientes. O vendedor de sucesso nunca pensa que já sabe tudo, todos os dias, em todas as conversas ele pode aprender algo novo, ou ratificar os conhecimentos já adquiridos. Vendedor bom é vendedor que aprende sempre!

Portanto, os vendedores do novo século são pessoas visionárias, que buscam superar, vejam, eu disse superar as expectativas dos seus clientes e prestam um serviço decente, sem pensar única e exclusivamente nas comissões do final do mês. Ser vendedor é ser um servidor. E como já dizia Martin Luther King, “quem não vive para servir, não serve para viver”.

Não venda sapatos, venda a comodidade para os pés e o prazer de caminhar confortavelmente; não venda casa, venda conforto, segurança, felicidade de obter a casa própria; não venda livros, venda conhecimento e horas de prazer; não venda cd´s venda o prazer de ouvir uma boa voz; não venda móveis, venda a possibilidade de um ambiente bonito e aconchegante; não venda produtos ou serviços, venda sonhos, emoções, benefícios; não venda pão, venda o prazer de saborear um pão fresquinho. Tudo isso não tem preço.

A minha dica é a seguinte: vendedor busque o aperfeiçoamento constante; empresas dêem a oportunidade de aprendizado aos seus vendedores. Um não vive sem o outro. Boas vendas! 

 

   

 A importância das eleições municipais

 

Toda eleição tem a sua importância. Absolutamente todas. Eleições de grêmio estudantil, de sindico de prédio, de presidente de associação de bairro, de presidente de empresa, etc. Mas uma das mais importantes é sem dúvida alguma as eleições municipais.

Onde o vive o cidadão? Na cidade! Onde trabalha o cidadão? Na cidade! Para onde vai a maioria dos impostos pagos por ele? Para a cidade! Onde ficam os vereadores? Na cidade! Onde fica o prefeito? Na cidade! Portanto, é na cidade que está o problema e a solução para a melhora da qualidade de vida de qualquer pessoa.

Não é muito difícil de encontrar pessoas que vendem seu voto por qualquer coisa, tais como, alguns metros de terra, algumas dezenas de tijolos, algumas cestas básicas, alguns litros de gasolina, alguns trocados para tomar uma cerveja e fazer um churrasco com os amigos. Pior que o político que compra o voto é o eleitor que o vende.

Praticamente todas as decisões inerentes à vida do cidadão acontecem no âmbito municipal. Se você quer ter uma vida melhor comece por votar bem na sua cidade. Não há nada mais prejudicial que jogar o voto fora.

Portanto, a escolha do vereador e do prefeito é de suma importância para os munícipes, enquanto as pessoas da cidade não se policiarem e fazer do voto uma “arma” contra a roubalheira e a corrupção, a vida dos mesmos estará fadada ao abandono e a miséria. Dessa forma, violência, desemprego, caos urbano e todo o mal que pode assolar uma cidade vai ocorrer. O eleitor deve ficar bem atento, pois aquela pessoa que você não via há quatro anos estará lhe procurando em breve… É apenas uma questão de votar bem, apenas isso.

 

 

Brasil nas olimpíadas de Pequim

 

Quando o nadador César Cielo ganhou a medalha de ouro na natação, Galvão Bueno e todos os demais apresentadores que estão cobrindo as olimpíadas de Pequim agiram como se a medalha conquistada pelo nadador brasileiro nos colocasse em primeiro lugar, derrotando a China no quadro de medalhas. Ledo engano…

Não estou dizendo que não devemos comemorar e valorizar o ouro de César Cielo, o que quero dizer é que estamos há poucos dias da final das olimpíadas – os jogos terminam domingo – e temos apenas oito medalhas até agora, sendo cinco de bronze, duas de prata e apenas um de ouro. Por quê será que o Brasil, um país continental, com cerca de 200 milhões de habitantes, o maior e melhor da América Latina vai tão mal nos jogos olímpicos?

As respostas são muitas e todas passam pela área da política. Sim, os políticos tem sua parcela de culpa, e não é pequena. É preciso que todos os governos – municipais, estaduais e federal – invistam pesadamente em todos os esportes, vejam, eu disse TODOS os esportes e não apenas no futebol masculino, até mesmo porque, o resultado do futebol masculino foi sofrível.

O esporte é uma das áreas mais importantes para melhorar a qualidade de vida em qualquer nação, os governantes brasileiros e sua população precisam entender isso, cada um fazendo o papel que lhe cabe. Além de formar atletas olímpicos, vamos formar cidadãos saudáveis.

Portanto, não acredito que devemos comemorar os resultados que estamos tendo em Pequim. É só lembrarmos de Sócrates que dizia que a sabedoria começa na reflexão. O problema do Brasil é que comemoramos muito e refletimos pouco, e o pior, a comemoração é por pouca coisa. Na volta para o Brasil, César Cielo desfilou em carro aberto pela conquista do ouro, já imaginou se na China e nos EUA todos os que ganhassem ouro desfilassem em carro aberto, iam faltar caminhões de bombeiro para isso…

 

 Crise mundial: salve-se quem puder

 

O mundo está em crise, não podemos fugir desta realidade. Precisamos, porém, entender o porquê desta crise e como ela surgiu.

A crise financeira mundial originou-se na crise imobiliária norte-americana e está percorrendo o mundo. Bolsas dos diversos países têm quedas significativas todos os dias.

Os Estados Unidos da América não cuida muito bem de suas contas como muitos países o fazem, o Brasil, por exemplo. Apenas para se ter uma idéia da má administração de suas contas, o déficit do PIB norte-americano é de cerca de 80%, o que corresponde a dez trilhões de dólares. O Brasil (este país subdesenvolvido, governado por um operário), tem um superávit primário de 4,5% do seu PIB.

Os bancos norte-americanos não se preocuparam muito na concessão de créditos e a sua população se endividou, não tendo como honrar os compromissos então assumidos.

Como os norte-americanos não tinham mais condições de pagar os imóveis que haviam adquiridos com o crédito que haviam recebido dos bancos, estes eram tomados pelas organizações financeiras, que por sua vez não conseguiam vendê-los, desse modo, os preços caíram substancialmente o que levou a desvalorização dos títulos hipotecários que até então era o elemento principal de sustentabilidade do mercado interno americano.

Os bancos movidos pela ganância e dinheiro fácil resolveram liberar dinheiro para quem não tinha emprego fixo, comprovação de renda, não tinha patrimônio e nunca tinha obtido crédito, com tudo isso, os cidadãos norte-americanos ainda conseguiam fartos valores para financiar seus imóveis e outros bens de consumo.

A crise que começou desta forma já quebrou inúmeros bancos nos EUA, Europa e Ásia, a verdadeira dimensão da crise é desconhecida, porque até o momento ninguém sabe onde ela vai parar e os estragos que podem ocorrer na economia real. O governo dos EUA liberou grande quantia para socorrer os bancos, porém, o dinheiro sumiu logo, mostrando mais uma vez, o quanto o mercado estava perdido.

Muitos analistas estão comparando esta crise com a de 29, mas há ainda aqueles que dizem que as semelhanças estão apenas nos fatos determinantes e que a de 29 foi muito mais avassaladora que a de hoje.

Inúmeros governos estão dialogando para que esta crise não prejudique ainda mais os países e seus povos, e quando se fala em dinheiro, os governantes correm para resolver o problema logo.

Portanto, os fundamentos econômicos de hoje não são os da década de 30, o que nos deixa mais aliviados e não tão preocupados. Espera-se que os governos ajam com equilíbrio e agilidade para contornar esta crise, causada por um sistema onde se quer ganhar muito em pouco tempo. A lição que ficará desta crise é que precisamos repensar o sistema financeiro mundial e o quanto estamos vulneráveis, e mais, o mercado nunca resolverá os seus problemas sozinho, como diziam os Liberais, o Estado tem sim, sua contribuição na regulação e manutenção do sistema.

 

  

Crise nos EUA, o que esperar dela

 

A crise pela qual passa a economia dos Estados Unidos da América tem preocupado o mundo todo. Governos, empresários, trabalhadores, jornalistas, todos em algum momento tem se indagado a respeito dessa grande crise que abala os EUA.

Bolsas do mundo todo tem seguidas quedas, os temores de recessão provocam alarde em todo o globo terrestre.

Índice Nikkei, em Tóquio, bolsa de Hong Kong, bolsa de Xangai, Bovespa, em São Paulo e praticamente todas as bolsas européias tiveram fortes quedas por esses dias.

O grande problema é que a economia dos EUA é a maior de todas e qualquer desaceleração no consumo por lá, prejudica a economia da maioria dos países, incluindo o Brasil. A equação é simples: se os norte-americanos consomem menos, as empresas exportadoras do Brasil fabricam menos, se fabricam menos, desempregam mais… O desemprego no país só não é maior por conta do mercado interno que continua aquecido. Se o país dependesse exclusivamente das exportações aos Estados Unidos da América como era no passado o resultado seria bem pior. As negociações com a outra parte do mapa foram bem sucedidas e também tem ajudado as exportações brasileira.

Apenas para se ter uma idéia do tamanho da crise, o gigante americano Citigroup anunciou recentemente perdas de cerca de 10 bilhões de dólares.

O comércio varejista nos Estados Unidos também vai muito mal. Todos estão apreensivos com os próximos resultados a serem anunciados.

Esse ano acontece às eleições norte-americanas e com chances reais de um negro ou uma mulher tornarem-se presidente da república. Barack Obama vem ganhando a simpatia dos excluídos (negros e latinos) norte-americanos e pode ser a grande surpresa dessa eleição…

Mais do que nunca os olhos do mundo estão voltados para a grande potência chamada Estados Unidos da América. Alguns dizem que a crise é passageira, outros ousam dizer que isso é o começo do fim do capitalismo. De fato, o momento é extremamente decisivo para o futuro daquele país e por que não dizer do mundo.

Portanto, o mercado estará atento aos desdobramentos da crise. Os países devem procurar novos mercados para escoarem seus produtos. Países como China, Índia, Rússia e Brasil podem se firmar como grandes potências do futuro. Tudo é uma questão de tempo.

 

  

Educação é o caminho!

 

Todos nós sabemos que o caminho para fazer do Brasil um país melhor e mais justo, é sem sombra de dúvidas o da educação.

Para isso, é preciso que todos os governos: municipais, estaduais e federal, facilitem ao máximo o acesso dos estudantes às escolas e que essas sejam de boa qualidade.

O aumento de mais um ano no ensino, ou seja, o ensino fundamental antes era de oito anos, agora são nove, foi um grande avanço, porém, é preciso que todos tenham acesso fácil para se cumprir essa decisão.

Muitas crianças que hoje estudam nas pré-escolas não terão escolas próximas às suas residências ao mudar de série e seus pais sofrerão para conduzir seus filhos e filhas para a primeira série. Isso porque faltam nas regiões onde habitam, escolas municipais para receber essas crianças. Aos pais e responsáveis restam alternativas, ou ir levar e trazer os filhos a pé do outro lado da cidade, onde existam essas escolas, ou pagar para seus filhos irem de Van. Tanto uma como outra alternativa é ruim!.

A lei de número 11.700 de autoria do Senador da República Cristovam Buarque veio para sanar estes problemas. A lei garante às crianças a partir dos quatro anos de idade o direito a uma vaga na rede pública, no ensino infantil e fundamental, em escola próxima a região onde moram. É lei e deve ser cumprida!

Segundo o autor da lei, a escolarização na primeira infância, além de ser um direito básico de todas as crianças, facilita a inserção das mulheres no mercado de trabalho e produz resultados consideráveis no longo prazo. De fato, esta é uma importante lei e não podemos deixar que ela morra.

Portanto, é preciso que as prefeitura das cidades brasileiras olhem com carinho para essas crianças, pois como todos sabem, só teremos um país mais justo, quando todos tiverem acesso à educação de qualidade e é de cedo que se começa a formar os brasileiros do futuro. O que acontece na escola do filho do rico deve ser o que acontece na escola do filho do pobre.

  

 

 Funcionários do Povo!

 

Patrão não se vende. Patrão não se compra. Patrão não se corrompe. Patrão não se negocia. Em momento nenhum da história um candidato a alguma vaga em qualquer empresa foi contratado porque presenteou o patrão com uma cesta básica, com alguma camiseta, com brinde qualquer. Se for contratado, o patrão o faz pois o candidato demonstrou disposição, profissionalismo, caráter e preocupação para com o desenvolvimento da empresa.

Os eleitores devem ter a mesma postura dos patrões, não se vendendo, não se corrompendo, não sendo egoístas e pensando só em si, devem ter a preocupação de como ficará a “Empresa – País” com os políticos eleitos.

Uma empresa desenvolvida obtém o sucesso por que tem bons patrões ou por que tem bons funcionários?

Acredito que pelos dois, um complementa o outro. Uma empresa com patrões ruins, certamente terá funcionários ruins. Uma empresa com bons patrões terá na certa, bons funcionários. É simples assim.

Um país onde o “Povo – Patrão” analisa, pensa, pondera e vota naquele “Funcionário – Povo” com as melhores condições de promover o desenvolvimento da “Empresa – País”, certamente terá uma qualidade de vida muito melhor do que naqueles outros lugares onde o “Povo – Patrão” não percebeu sua importância.

Para que uma empresa obtenha os melhores resultados e o sucesso é imprescindível que o patrão gaste bem, e invista em seus funcionários e mais ainda, é preciso que ele não gaste mais do que é possível. Caso isso não ocorra, o caixa da empresa vai ficando no vermelho, e mais, e mais, até chegar uma hora em que não irá mais suportar e a falência será decretada.

O mesmo acontece com os governos, seja municipais, estaduais ou federal. É necessário a mesma seriedade por parte dos “Políticos – Funcionários”, para que não leve a falência às cidades e aos estados do Brasil.

Portanto, mais uma vez fica evidente a assimetria entre os dois casos. O “Patrão – Povo” tem mais uma vez em suas mãos o futuro da “Empresa – País”.

 

  

 O homem e seu cachorro

 

Para que serve o chão? Para andar, para correr, talvez você pense isso… quem sabe até seja para isso… Mas creia-me, alguns usam para morar…Sim, para morar!

Jogados ao chão. Em pleno meio-dia de uma segunda-feira, um sol de verão, rachando a cabeça daqueles que não estão jogados ao chão. Em plena avenida, cercada de mansão. O homem e seu cachorro estão jogados ao chão, babando, sonhando, pedindo para morrer, jogados ao chão.

Os outros, os que não sabem o que é estar jogado ao chão, também não sentem os verdadeiros raios de um sol de verão. Nunca estiveram jogados ao chão. Quem sabe um dia, não estarão… Afinal, o mundo não é redondo à toa, deve haver algum sentido nisso…

Os passantes fazem o que lhe é devido: passam. Passam e passam. Sequer olham para o homem e seu cachorro jogados ao chão.

Já passam das quinze horas e os dois continuam jogados ao chão. Passaram muitos, apenas isso, passaram. Não sabem eles, que os verdadeiros culpados pelo cachorro e pelo homem estarem jogados ao chão, são eles, que caminham, que passam ao lado, que pisam no homem, no rabo do cachorro, que permanecem jogados ao chão.

Dezessete horas e chamaram o camburão, onde já se viu?! dois vagabundos jogados ao chão, em uma avenida, repleta de mansão. Isso é uma vergonha, então chamaram o camburão. Coitado do homem, coitado do cão, coitado do cachorro do homem que chamou o camburão. Saberá ele o que é estar jogado ao chão?! Não! Ele não sabe, pois ele mora naquela mansão, onde o homem e seu cachorro permaneciam jogados ao chão.

Muito bate boca, muito blá-blá-blá, muito latido, de lá, e de cá. O cachorro do homem da mansão latiu feito cão, e que os cães me perdoem por tal comparação. Que maldade do escritor… Comparar o da mansão com o cão.

O homen, o do camburão, disse não haver sentido em levar o cão e o homem, o do chão, para a prisão. Tal fato deixou o cachorro do homem da mansão babando feito um cão raivoso. Como não?! São uns emprestáveis, só fazem sujar minha calçada e minha cidade, dizia ele, cheio de pompa e egocentrismo.

Não, meu senhor, não vou levá-los. Não posso levá-los, nem o homem, nem o cão, eles nada fizeram, disse o do camburão.

Sorrindo, o cão latiu satisfeito, parecendo sentir o tamanho da raiva que o homem da mansão estava sentindo. Como ele latiu satisfeito… como latiu…latiu e sorriu feito criança…

Já passavam das dezoito horas e o cachorro e seu homem, ou o homem e seu cachorro começavam a deixar aquela avenida, aquela calçada, aquele cachorro da mansão, afinal, eles precisavam se alimentar, podem até não ter onde morar, mas o estômago está lá e o cachorro da mansão não iria servir da sua comida a eles…

Amanhã, a história se repete em outra calçada, em outra avenida, rua, mansão… Amanhã, eles conhecerão outros homens cachorros e que os cães continuem a me perdoar por tal comparação. Pobre do cão… o da mansão!

 

 

A crônica: “O homem e seu cachorro” ficou em terceiro lugar no Prêmio Acrísio de Camargo 2007, de Indaiatuba – SP.

 

 

O valor do voto

 

Como todos sabem, em outubro os brasileiros irão decidir quem serão os nossos representantes nas Câmaras Municipais e na Prefeitura. A decisão é de suma importância.

Todos devem saber que a política tem ligação com absolutamente tudo em nossas vidas (mesmo que muitos não queiram), não há para onde correr.

Bertoldo Brecht, já nos alertava que o custo de vida, o preço do feijão, do aluguel, da roupa e de tudo dependem das decisões políticas.

Há um ditado popular que diz muito claramente a importância das eleições e do voto: “Cada povo tem o governo que merece”, isso significa dizer que se o seu prefeito ou a sua Câmara de Vereadores é ruim, foi porque o povo quis assim, pois os políticos só foram eleitos, porque o povo votou neles. Portanto, reclamar depois não é a decisão mais inteligente, é preciso estudar bem em quem votar…

Os eleitos nas cidades (prefeitos e vereadores), deverão tomar as decisões que irão atingem diretamente nossos interesses, agora e no futuro, como exemplo, podemos citar: a segurança; educação; saúde; emprego, trabalho; meio ambiente, entre muitos outros temas.

Fazer valer a cidadania é pensar muito bem em quem votar, não podemos vender ou usar o nosso voto como troca. Se algum candidato está querendo te corromper agora, imagine como será a atitude dele depois que eleito…

É preciso pensar, refletir, questionar e nunca votar no mais “bonitinho” ou na mais “bonitinha”. Eleições não é concurso de beleza!

Para começar a escolha em quem votar, faça as seguintes perguntas para você mesmo: “Você se lembra em quem votou nas últimas eleições?” “Seus candidatos prestaram contas a você e a sua comunidade?” “Ele cumpriu tudo o que prometeu, ou parte do que prometeu?” As respostas para estas perguntas interessam mais a você do que qualquer outra pessoa.

Converse com seus amigos, familiares, sobre os problemas da sua cidade, do seu bairro, da sua rua. Procure saber em qual partido o seu candidato está filiado, há quanto tempo está no partido, que tipo de interesse ele representa.

Portanto, escolher um bom candidato é o começo de um processo que nunca termina, pois se você votou com consciência e de forma honesta, cumpriu uma boa parte de sua responsabilidade como eleitor e brasileiro. Mas é preciso mais! Você deve acompanhar a ação dos eleitos, mesmo que os eleitos não tenham sido os seus candidatos. O futuro das cidades brasileiras está mais uma vez, nas mãos dos eleitores.  É preciso reflexão!

 

 

Oportunidade x Oportunismo

 

Oportunidade e oportunismo. Qual a diferença entre eles? Segundo o dicionário do escritor Ubiratan Rosa, oportunidade é: “ocasião favorável, ensejo”. Oportunismo quer dizer: “Aproveitamento, em geral inescrupuloso, de oportunidades, de condições favoráveis a um determinado intento”.

O que aconteceu na Câmara de Vereadores de Indaiatuba no tocante ao projeto de lei contra o nepotismo foi o quê? Os vereadores, tanto quem propôs a lei, quanto àqueles que votaram, foram oportunistas ou aproveitaram a oportunidade?

Todos sabem que nepotismo em Indaiatuba ocorre há muito, mas muito tempo, seja no legislativo, seja no executivo. Então por quê só agora, depois do Ministério Público agir, eles resolveram criar algum tipo de projeto contra o nepotismo. Será que não sabiam disso antes? E o projeto que aprovaram, será mesmo que vai coibir o nepotismo em todas as suas causas?

Vejam, a grande maioria dos vereadores mantinham parentes empregados em seus gabinetes (ou seria em seus cabides?).

Ainda de acordo com o dicionário nepotismo quer dizer: “favoritismo”. E o quê será que quer dizer favoritismo?

Pois bem, favoritismo quer dizer: “regime de proteção em que há favor, simpatia pessoal”. Trocando em miúdos quer dizer mais ou menos o seguinte: “vou te colocar lá, mas é só por quê você é meu parente, sei que você não tem competência…”. Cargo de confiança virou sinônimo de cargo fajuto.

Portanto, é necessário que os senhores vereadores, os secretários, o prefeito e todos aqueles que de alguma forma empregam seus parentes reflitam sobre suas ações.

Caso isso não ocorra, teremos em Indaiatuba um governo vergonhoso. E sabem o que quer dizer vergonhoso?

Vergonhoso se entende por: “indigno, infame, obsceno”. Consultem o dicionário senhores, consultem o dicionário…

 

  

Para onde caminha a humanidade?

 

Qualquer análise que se faça da nossa realidade, as conclusões tiradas são pessimistas e preocupantes. Basta vermos a quantidade de guerras, a fome, a exclusão social, o aquecimento da Terra. Basta vermos as atitudes de nossos representantes a nível municipal, estadual, federal e mundial.

É incrível o nível de desigualdade que o capitalismo desenfreado provoca no mundo. Já está mais do que provado que esse sistema não ajuda em nada a humanidade. Apenas privilegia uma minoria, em detrimento da maioria. O capital em detrimento do social. O dinheiro em detrimento do ser humano. Mudança em pouco tempo? Não vejo, infelizmente!

É preciso que tomemos novas atitudes em nosso dia-a-dia, é urgente rever nossos conceitos sobre as pessoas, a política, sobre o meio-ambiente, é preciso quebrar velhos paradigmas, é preciso avançar rumo a um novo mundo.

Está nas mãos dos homens e mulheres da humanidade o destino da mesma. Podemos ajudar a afundar as pessoas, as empresas, os governos, o planeta Terra, mas também podemos fazer o inverso. Podemos nos auto-ajudar, podemos tornar nossas empresas mais saudáveis e agradáveis, podemos cuidar do meio ambiente dando prioridade a tudo o que vem dele, devemos devolver a ela o que tiramos por séculos e séculos de exploração desenfreada.

Portanto, a atitude de cada pessoa, no dia de hoje é o que fará um amanhã muito melhor. O que você tem feito pela Paz? O que você tem feito para combater o aquecimento global e salvar o planeta para as futuras gerações? Quais são os seus lideres? Como tem sido os seus votos? E na sua empresa, como tem agido, tem resolvido os problemas ou criado mais problemas? E na educação, tem participado de algum movimento para melhorar a educação de sua cidade, de seu estado, do seu país?

O mundo sempre precisou de pessoas visionárias e sonhadoras, indivíduos que não se conformam com a realidade e lutam até as últimas conseqüências para que todos possam viver melhor, para modificar a realidade, o momento agora necessita de mais pessoas assim. Precisamos de novos Einsteins, Jonh Lennons, Luther Kings, Ghandis, Guevarras, Betinhos, é urgente que floresçam novas e revolucionárias idéias. A humanidade não pode mais esperar.

Portanto, mais do que nunca a célebre canção que marcou a derrubada da ditadura no Brasil deve ser entoada: “Vem vamos embora, que esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer…”

O que você está esperando?

  

 

Política pra quê?!

 

“…quem não se interesse pela política não se interessa pela vida…” Ulysses Guimarães

 

A frase acima dita por Ulysses Guimarães diz claramente e sabiamente o papel que a política deve ter na vida de cada pessoa. Um povo que não se interessa pela política de sua cidade, seu estado, seu país, certamente não se interessa pela vida, pois são as decisões e atitudes tomadas na política que definirão a qualidade e os rumos da vida de todos.

A política pode ser ocupada por pessoas boas ou pessoas más, pessoas com comprometimento e sem comprometimento, com compromisso com as causas sociais, ambientais, econômicas ou sem compromisso nenhum, a não ser, com o próprio bolso…

Cabe às pessoas de bem refletirem a respeito da política, analisarem o histórico de vida dos candidatos a qualquer cargo eletivo, devem avaliar se a vitória de certo candidato será benéfica para toda a população.

Bertold Brecht já dizia que o pior analfabeto é o analfabeto político, quanto mais analfabetos políticos existirem, maiores serão os casos de corrupção, desvio de dinheiro público, mau uso dos recursos, falta de comprometimento dos funcionários públicos, enfim, tudo o que há de pior.

Temos visto nos últimos tempos, sucessivos casos de corrupção, vereadores aumentando os próprios salários em cerca de 30%, projetos sem nenhuma relevância pública serem aprovados, Senadores da República que ficam meses e meses debatendo se cassam ou não o seu presidente, acusado de vários crimes. Não deveriam eles estarem discutindo projetos para melhorar a qualidade da educação no Brasil, das leis contra o crime, do combate ao aquecimento global??? Deveriam, mas não o fazem.

Por outro lado, assistimos a crescente violência nas cidades brasileiras, o desemprego que embora tenha caído, ainda continua com patamares elevados, leis que já não previnem o crime, apenas beneficia o criminoso, o corrupto, a empresa que não respeita a comunidade e o meio-ambiente.

É urgente que se repense o valor do voto e suas conseqüências, a qualidade do voto ditará a qualidade de vida dos habitantes da cidade, do estado e do país. Certamente, que o amadurecimento eleitoral não acontece do dia para noite, mas é preciso que o ciclo não pare e a cada eleição os eleitos sejam melhores e pensem no conjunto, na coletividade.

Portanto, está nas mãos dos eleitores e eleitoras brasileiros a construção de um país mais justo, igualitário onde todos possam ter oportunidades iguais e terem seus sonhos realizados.

 

 

 

 Quanto vale o seu voto?

 

Um dos temas mais recorrentes em épocas eleitorais são os “presentinhos” que os políticos dão, ou querem dar, ao povo. A Justiça Eleitoral tem feito a parte que lhe cabe, tentando no âmbito da lei, fazer com que esse tipo de ação não acontece mais em terras tupiniquins. Acontece que qualquer pessoa em sã consciência sabe que a compra de voto, acontece e, muitas vezes, descaradamente. Eu sempre fui contra a compra de voto. Nunca votei, nunca vou votar em um candidato que precisa de dinheiro para ganhar o meu voto. Se está comprando o seu voto, imagina qual será a atitude deste senhor quando for eleito… Conheço candidato a vereador que dá por mês, 200 reais em gasolina, apenas para que o eleitor coloque adesivos com o nome dele no carro e com o compromisso do voto do motorista/eleitor. Só este candidato, tem mais de 200 carros com o seu nome na cidade. Isso é digno de um candidato honesto? Claro, que não! O que mais me chama a atenção, é o fato do eleitor vender seu voto, e cumprir com a palavra de votar no candidato que lhe corrompeu, ou seja, ele vende o voto e cumpre com a palavra votando no candidato, algo meio paradoxal, talvez por medo que o candidato descubra que o eleitor não votou nele, talvez porque ele irá pensar que não foi “honesto” com o candidato. É preciso ressaltar que hoje é impossível qualquer candidato saber quem votou nele, nenhum candidato tem acesso a isso. Portanto, o medo é descabido e desnecessário, e mais, o que o candidato iria fazer contra o eleitor? Matá-lo? Persegui-lo? Mas o que ele fez, foi correto? Algumas pessoas defendem que os eleitores devem sim aceitar os “mimos” dos candidatos, mas, em hipótese alguma deve votar nele, muito pelo contrário, deve fazer propaganda contra. O meu conselho é que não aceite nada vindo de candidatos, diga que quer apenas boas propostas para sua cidade. Só teremos um país melhor, quando tirarmos da vida pública, pessoas que só fazem o que faz na privada, um monte de merda que não serve pra nada.

 

 

 Sobre a mudança

 

O ser humano é um ser mutável, mas para mudar leva tempo, muito tempo, e muitas vezes a mudança nem ocorre! Nos dois últimos meses a minha vida mudou radicalmente – se é que possa ser usada a palavra radicalmente – sai do meu emprego onde já estava há 2 anos, em um cargo bom, com chances de algo melhor ainda para o futuro. Deixei a casa de meus pais – não foi fácil – fui morar em outra casa com a minha companheira. Abri a minha empresa de consultoria – a Éber Sander Consultoria. De fato, muitas mudanças. Hoje as coisas que faço são totalmente diferentes daquelas que fazia até então… Por enquanto, tudo está se saindo muito bem!

As pessoas geralmente não gostam ou temem as mudanças. Elas pensam: “E se eu mudar e não dar certo”; “E se não achar um novo emprego”; “E se não me adaptar a nova vida que vou levar”; “E se largar dele ou dela e nunca mais achar outra pessoa”, entre vários outros “E se…”. Cada pessoa vem ao mundo com um propósito, e creia-me, você não veio para falar mal dos outros, ou ficar vendo novelas, ou pior ainda, ficar reclamando de tudo. Há algo melhor para ser feito!

O grande problema não é a mudança em si, é o medo que temos da mudança, do desconhecido, do que não sabemos ao certo, se será bom ou ruim.

Absolutamente todas as pessoas de sucesso que conheço, tanto pessoalmente, como através da literatura, foram pessoas que nunca tiverem medo das mudanças. Foram pessoas visionárias que não sabia ao certo se as mudanças que iriam ocorrer em suas vidas iam dar certo ou não, mas não ficaram restritas a esse pensamento.

Pessoas de sucesso são aquelas que saem da zona de conforto. Imagine como seria a nossa vida se todos fossem reticentes quanto às mudanças. Se ninguém ousasse o novo, todo mundo concordando com tudo.

Oswaldo Montenegro, em uma das suas muitas belas canções diz: “Mudar dói, mas não mudar dói muito”. É preferível a dor da mudança, que a dor de não mudar.

Portanto, se está pensando em mudar, mude. Se acreditar que pode melhorar de vida mudando, mude. Afinal, a vida é muita curta para fazer o que não gostamos, portanto, mude, avance, crie, reinvente. Seja feliz e esqueça do “E se…”

 

 

Sua empresa tem motivado os colaboradores?

 

É fato, ninguém trabalha por muito tempo em uma empresa que não motiva os seus colaboradores e ninguém se auto-motiva o tempo todo, todo o tempo! O trabalhador pode ficar por um mês, dois, seis meses ou até alguns anos, mas apenas o corpo estará na empresa, a alma não.

Você já se perguntou se seus funcionários estão com o corpo e a alma na sua empresa? Será que o que eles fazem, o fazem com prazer ou simplesmente porque são obrigados a fazer? Quais são os instrumentos que você tem usado para motivar e reter os melhores profissionais?

Essas são perguntas instigantes que vivem rondando a mente dos administradores. São questões que dependendo da resposta pode-se ter uma visão do que tem acontecido na organização.

Se o seu colaborador está precisando de dinheiro para pagar as – altas – contas do supermercado, da padaria, do cartão de crédito, etc, e você oferecer um anúncio de página inteira no jornal mais popular da cidade, dizendo que ele foi escolhido o funcionário do mês, creia-me, em nada vai melhorar a motivação dele, muito pelo contrário.

Ele vai pensar: “Eu aqui louco para ter um aumento e ele desperdiçando recursos para colocar a minha foto no jornal, isso não vai pagar as minhas contas…”.

Agora, se o seu colaborador está com a vida tranqüila, as contas equilibradas, tem carro do ano, os cartões de crédito estão em dia, saiba que se fizer o anúncio no jornal ele vai se sentir extremamente motivado, pois o que ele procura nesta fase é status e não dinheiro.

Maslow já nos ensinava isso, são as necessidades humanas, e cada ser humano por ser único tem necessidades diferentes. Pensamentos diferentes, desejos diferentes, em momentos diferentes…

Portanto, cabe ao administrador, eu disse administrador, e não aqueles que se julgam administradores, perceberem qual a necessidade de cada colaborador e aí então oferecer o que ele deseja.

Ao fazer isso, sua empresa terá sempre uma equipe motivada e os colaboradores trabalharão com o corpo e a alma, fazendo porque gostam de fazer e não porque são obrigados a fazer. Estou convencido que isso fará toda a diferença no resultado da sua organização!

  

 

Talento não basta!

 

Perdoe-me dizer, mas só talento não basta para obter o sucesso e ganhar dinheiro nos dias atuais, é preciso investir pesadamente nos relacionamentos interpessoais. Conheço pessoas extremamente talentosas no que fazem, porém, por serem pessoas isoladas de tudo e de todos, não alcançam o sucesso. Se isolar do mundo é um erro primário para quem almeja ganhar dinheiro e ter sucesso.

Quer uma dica? conheça novas pessoas, todos os dias, todas as horas, em todos os lugares. Não fique restrito ao seu círculo de amigos. Há um mundo novo a ser descoberto.

Tenho estudado a vida de sucesso de grandes vendedores e todos eles, absolutamente todos, não medem esforços para aumentar os seus relacionamentos.

Façamos uma conta simples, se você colocar como meta conhecer 5 novas pessoas por dia, em um mês terá conhecido 150 pessoas e em um ano, terá conhecido nada mais nada menos que 1800 pessoas.

Serão 1800 potenciais clientes do seu produto ou serviço. Já pensou nisso? Portanto, não há motivos para se esconder do mundo. Obviamente que você não será amigo de todas essas pessoas, mas o fato de conhecê-las fará com que possam comprar de você, que poderão lhe indicar para outras pessoas e isso faz toda a diferença.

Estabeleça metas razoáveis para conhecer novas pessoas, participe de movimentos, sindicatos, organizações, vá às palestras, workshops e quando for a esses lugares, procure conversar com o máximo de pessoas possível. Fale sobre sua empresa, sobre o que faz, sobre o que vende. Troque cartões. Não fique no canto da sala esperando que as pessoas venham até você, tome a iniciativa, se apresente, tenha uma atitude pró-ativa.

Uma das grandes ferramentas para o aumento dos relacionamentos interpessoais, são os encontros de empresas, evento famoso no mundo todo, realizado nas melhores cidades do mundo.

Nesses encontros empresários, executivos, vendedores, compradores, fazem as famosas trocas de cartões e creia-me: muitos negócios são fechados ali mesmo. Em apenas algumas horas você terá a oportunidade de conhecer as mais variadas pessoas, que vendem os variados produtos e serviços.

 

  

Tv Brasileira

 

A tv aberta brasileira não tem muitas opções de bons programas. Quem não tem o privilégio de assistir os chamados “canais pagos”, fica refém de uma programação sem um mínimo de cultura e muitas vezes tendenciosa.

O problema-programação começa logo cedo com os desenhos para as crianças. Uma enxurrada de programas enlatados da Ásia tomam conta da programação infantil. Cultura brasileira para as crianças é pura utopia. Saci-perere que nada, o negócio da criançada é Pokémon…

Após o festival de desenhos, vem os programas de culinária, engraçado que tudo acontece no mesmo horário, nos diversos canais, fazendo com isso que o telespectador da tv aberta, já sem opção, fique ainda mais sem opção. Já viu algum apresentador desses programas reprovarem as comidas…

Pós receitas culinárias vem os programas jornalísticos, que deveriam ter muito mais no Brasil, visto que a tv é muitas vezes, o único meio de informação da maioria pobre. Quantas pessoas lêem jornal no Brasil? E quantas têm tv em casa?

Já no período da tarde, a porcariada continua, filmes do arco da velha, e que já passaram centenas de vezes. Para variar, sessão de filmes em todos os canais da tv aberta.

No período da tarde, inicio de noite, cuidado para não pirar, os programas policiais e o inicio das novelas podem fazer você virar ou um maluco-suicida ou um suicida-maluco.

A noite termina com novelas, novelas, novelas… as novelas brasileiras servem para criar a fantasia que somos um país sem problemas, que nossos cafés da manhã são como os da novela, cheios de frutas e de sucos… Quantas novelas falam de problemas sociais?

E tudo isso porque estamos ainda na semana, no final de semana a coisa piora um pouco, ou melhor, piora e muito.

Programas de auditório fazem a festa de uma população acostumada a ver, ver, ver e nada fazer.

Portanto, não é a toa que as tv´s vem perdendo audiência para a Internet e outros meios de comunicação. Se continuarem com a mesma programação, a tendência é que diminua ainda mais o número de telespectadores. Quem sabe assim eles não acordam e percebam que o povo merece programação de qualidade e com inteligência. Ou será que o povo não quer isso?

 

 

 

 

 

Crise, qual crise? Parte II

 

Certamente você já leu o que eu havia escrito anteriormente, mas não custa nada repetir: crise não é crise, é na verdade um obstáculo que devemos enfrentar com galhardia e coragem, pois são nos momentos de crise que os vitoriosos se sobressaem.

Henry Ford, um dos homens mais importantes para a historia da humanidade, disse certa vez: “Quer você ache que consegue, quer ache que não consegue, terá razão”. Isto é: qual é a sua postura perante a crise? Você acha que é hora de desanimo, acomodação, de jogar a toalha? Ou você acha que é hora de fincar o seu nome ou de sua empresa em bases sólidas que o tornarão uma pessoa de sucesso, feliz e com muito dinheiro?

Escolha o que escolher assim você será, a mudança começa primeiro na mente. É simples assim.

Tenha otimismo com a queda da bolsa, o aumento do dólar, as noticias ruins que temos recebido diariamente pelos meios de comunicação. Vá em frente, prossiga! Não fique esperando a crise acabar, pois com ela sua empresa, seu emprego, seu suado dinheiro também podem ir. Vá em frente!

Quer mais alguns exemplos de pessoas que não desistiram diante das crises, veja isso: no ano de 1944, Emmeline Snively, diretor da Agencia de modelos “Livro Azul”, disse à uma candidata o seguinte: “Você será melhor se cursar secretariado, ou então, arranje um marido”. Esta candidata a modelo tem o nome de Norma Jean Baker, mas você não o conhece por este nome, ela é mais conhecida como Marilyn Monroe.

Quer outro exemplo: Liv Ullman que já foi indicada ao Oscar duas vezes foi reprovada em um teste de teatro na Noruega, falaram que ela não tinha talento.

A humanidade está repleta de casos de pessoas que tiveram que enfrentar muitas crises para obter o sucesso, aliás, qual é a graça de conseguir algo fácil, sem luta, sem sofrimento, sem cansaço, sem o dedo daqueles fracassados que insistem em dizer que não vamos conseguir?

Portanto, vá em frente, ignore as crises, os obstáculos, às pedras no meio do caminho. Se voce tiver uma atitude de coragem hoje, a sua vida daqui a alguns anos será muito melhor, mas é preciso coragem. Vamos, vá em frente, não pare, prossiga!

 

 

 

 

Desejo a você

 

Primeiramente eu desejo que você tenha saúde, e tendo saúde tenha coragem, e tendo coragem tenha sucesso. Desejo que seja mais paciente, mesmo já sendo paciente. As pessoas não têm culpa pela vida violenta e traiçoeira que levam hoje em dia. Seja paciente, em algum momento alguém vai precisar ser paciente com você também…

Desejo que você pare de fumar, se assim o quiser e que também pare de beber, se também assim o quiser, desejo que vá mais ao médico, não para curar a doença que se instalou, mas para prevenir que ela não se instale. Desejo também que freqüente o dentista regularmente, não de seis em seis meses, faça de conta que todas as pessoas são dentistas, sorria sempre para todos, o sorriso abre portas, janelas, mas, sobretudo, abre corações…

Desejo que faça mais esportes, radicais ou não, mas faça. Desejo que leia mais, não se prenda somente aos cronistas (mas, por favor, os leia), leia poesias, leia sobre astronomia, astrologia e outros astros que surgirem por aí. Não perca tanto tempo vendo TV, está provado que doses grandes de televisão te deixa lesado e fora da realidade demais e a vida não é tão boa ou tão má como se vê nas novelas.

Esteja mais atento aos atos dos políticos da sua cidade, do seu estado, do seu país, vote melhor, cobre mais, participe mais da vida de sua comunidade. Eu estou convencido que a melhora e a piora do nível de vida em sua cidade depende da sua contribuição, você tem sim, grande parcela de culpa.

Respeite as pessoas, parece meio bobo pedir para que respeite as pessoas, mas respeite, quando você respeita o próximo, você respeita a si mesmo e quando respeita a si mesmo, você respeita o Criador de tudo.

Fale sempre com alguém da sua idade, mas fale mais com as pessoas que não são da sua idade, cada idade tem o seu valor, se for jovem, converse com os mais velhos, se for idoso, converse mais com os jovens, o futuro da humanidade só poderá ser melhor se as gerações conversarem mais e aprenderem uns com os outros, nem o velho sabe muito, nem o jovem sabe menos, são vidas que se entrelaçam e se completam.

Fique mais próximo da sua família, da sua esposa, beije mais a sua mãe, o seu pai, os seus irmãos, quando você passar mal às três horas da madrugada de um domingo, são eles que vão te socorrer, nenhum amigo de balada estará presente nesta hora, todos já terão ido dormir e estarão muito ocupados para te socorrer.

Desejo que você não seja um fracassado e não sendo um, não fique ao lado dos que são, fuja dos céticos de plantão, fuja das pessoas que só falam em crise, que só dizem: “Eu faria…”; “Eu seria…”, escolha amigos “pra frente”, otimistas com relação à vida, que fazem o impossível para terem seus sonhos realizados.

Por fim, desejo que lute, lute com todas as forças do mundo, não fraqueje, não desista, existem dois tipos de pessoas: as que passam pela vida e as que vivem a vida. Desejo que você esteja na segunda opção e estando lá você verá que vale a pena viver. Feliz ano novo!

 

                              O poder dos livros 

É fato, não se pode negar. Os brasileiros leem pouco, ou melhor, leem muito pouco livro. Segundo uma pesquisa recente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), o brasileiro le 2,5 livros por ano. É quase nada.

Só para se ter uma ideia, os norte-americanos leem em média 10 livros por ano, na Europa a média é de 7 livros. Já na Suécia e Dinamarca, a média é ainda maior, são 15 livros lidos por habitante.

O debate que deve ser travado no Brasil são as razões que levam os brasileiros a lerem tão pouco. Todos sabem que o preço dos livros no país são um grande empecilho, seria esta então a razão?! Outros insistem em dizer que não há programas e incentivos tanto por parte dos governantes, como por parte da iniciativa privada. Todos estão certos.

Uma nação só poderá ser justa a partir do momento em que toda a sua população tiver acesso à cultura e ao conhecimento. O livro é peça fundamental nesse processo!

É preciso democratizar o acesso aos livros no Brasil e isso deve ser feito urgentemente! Estimativas dão conta que existem no Brasil cerca de 2.700 livrarias, 89% dos municípios brasileiros não tem casas de livros. Seriam necessárias 10 mil livrarias para cobrir de forma satisfatória o território nacional. Apenas para fazer um paralelo na capital paulista são 2.800 pet-shops. Vejam o absurdo: existem mais shopping para cachorro na cidade de São Paulo do que livrarias em todo o país. Uma discrepância fenomenal.

Portanto, é preciso criar novas fórmulas para baratear e levar os livros ao maior número de pessoas possível. Enquanto a população tiver acesso apenas às novelas e programas de auditório de gosto duvidoso, viveremos bem abaixo do que poderíamos viver em nível de criticidade e de conhecimento. É preciso, sobretudo, apoiar e incentivar os novos escritores, afinal, a literatura brasileira é considerada uma das quatro mais criativas do mundo e não podemos de forma alguma desperdiçar todo esse potencial.  Estão nos livros às chaves para um futuro melhor. Cuidemos dos cães, mas cuidemos antes da mente.

  

Sonhos

Quando criança sonhava em ser jogador de futebol. Algo normal para um garoto nascido na periferia do país penta campeão do mundo na modalidade. De cada dez garotos, onze tem o mesmo sonho. Nunca recebi o apoio da minha família para ingressar no esporte, mas isso não foi empecilho para a tentativa. Estudava de manhã e treinava à tarde.  Todos os dias.

Iniciei na posição de goleiro. Não tive sucesso. Lembro-me de um campeonato em que fui o goleiro mais vazado. Foi decepcionante e o time ficou em último lugar. O time todo era ruim, mas a culpa ficou nas cotas – e nas mãos – do goleiro. Azar o meu. Posição ingrata.

Decidi então mudar de posição, quem sabe não estaria na linha à chave para o meu sucesso como jogador. Escolhi a posição de meio de campo, jogava na direita. Deveria ser o garçom, servir os outros jogadores para que estes sim pudessem estufar a rede adversária. Continuava treinando pesado, com a firme intenção de um dia vestir a camisa do Palmeiras. Toda a noite visualizava vestindo o manto verde entrando no Morumbi para jogar uma decisão de Campeonato Brasileiro contra o Corinthians. Quando os treinos eram físicos inventava uma gripe, uma dor de cabeça que me impedia de ir treinar. Quando era treino com bola, lá estava eu curado da gripe e da dor. Funcionou por um tempo, mas logo o treinador desconfiou. Novo fracasso. Com o passar dos anos fui sendo cobrado pela família e pela sociedade. O sistema capitalista nos deixa sonhar até um ponto, depois é hora de voltar à realidade. Resolvi então que era hora de parar com o sonho do futebol.

Muitos anos se passaram sem que tivesse um sonho como aquele em ser jogador, algo que me motivasse a acordar pela manhã.

De uns anos pra cá voltei a sonhar. Escritor. Que audácia. Muitos livros, leitura diária, artigos, textos. Leitura diária, mais artigos, livros…

O que mais gosto neste novo sonho é que não preciso correr, não tenho como ser o mais vazado e não sou cobrado pelos passes errados ou pelas defesas não feitas. O que não quer dizer que é um sonho fácil de ser sonhado. O sonho ainda não foi totalmente realizado. Continuarei  firme na busca dele. Um dia qualquer invento uma estória, já tenho em mente o roteiro: estádio lotado, manto verde, levantando a taça…

***

Permitida a reprodução total ou parcial dos artigos e crônicas, desde que citada a fonte.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4 responses to “Artigos & Crônicas

  1. Vera Veronesi

    Meu caro Éber, há quanto tempo !
    Estou aqui visitando o seu blog e li o artigo sobre educação. Concordo plenamente com a idéia de que um país só pode ser melhor e mais justo com o seu povo se lhe oferecer EDUCAÇÃO DE QUALIDADE ! E a Educação começa através de um programa de leitura eficiente. Nossos jovens precisam aprender a ler .
    Ler e escrever conduzem à emancipação. A leitura tende a minimizar os efeitos nocivos do analfabetismo que atinge um número expressivo de brasileiros .
    É a leitura do mundo, reflexiva e transformadora
    A leitura não deve ser privilégio de uma minoria e todos os esforços podem ser direcionados para a ampliação do número sempre crescente de pessoas que lêem.
    Entretanto o aumento do índice de leitura está associado às questões socioeconômicas e culturais e por isso torna-se um problema de grande complexidade, exigindo uma ação conjunta : ESTADO -ESCOLA – FAMÍLIA
    Para que as coisas possam funcionar, a circulação da informação é fundamental na vida social, comunitária e sobretudo no mundo urbano. As pessoas precisam saber o que têm direito, o que está disponível no mundo, o que é bom, o que é justo, o que é injusto. . .
    Para se obter todas essas informações, é preciso absorvê-las de forma crítica, com discernimento para referendar o ERRO e o ACERTO.
    A preparação para a cidadania constitui uma finalidade para a qual a leitura desempenha um papel fundamental. Os princípios que inspiram a realização dessa finalidade são o de igualdade social e o de respeito à diversidade do ser humano. O compromisso social da leitura é um tributo básico do perfil de saída pretendido para os cidadãos.
    Entende-se que a leitura, ao fornecer meios para a compreensão da sociedade, responde pelos aspectos mais decisivos para a formação de seres sociais responsáveis e atuantes na construção do destino coletivo.
    Para que a leitura contribua de fato, no sentido de uma formação como descrita acima, é necessário que se reflita sobre como esse vasto campo de saberes do homem se torna conteúdo das práticas escolares. Tal reflexão se orienta pelos seguintes princípios :
    “Temos uma leitura como prática mecânica de aprendizagem. Temos uma escola que se arvora no direito de formar os leitores dessa sociedade, sem que a mesma seja considerada dentro do ambiente escolar. E é esta mesma escola que quer discutir a leitura como prática social, articulada com as demais práticas que ocorrerem em uma sociedade.”

    “Assim, ao discutirmos a leitura como prática social, é na vida dos homens que é necessário se situar, pois entende-se como prática social a interação do homem com a história, que transforma suas condições objetivas.”

    • Eber Sander

      Querida Professora Vera, muito obrigado pelas suas excelentes reflexões.
      Estou certo que serão muito úteis para os leitores deste blog.

      Grande abraço

      Éber Sander

  2. Gostei do blog.
    Quero conhecê-lo pessoalmente. Tenho um mini acervo de livros em meu ateliê e quero muito poder recebê-lo qualquer dia desses.
    Beijos grandes.

  3. Venho colhendo coisas novas, blogs novos para ler, e notei uma simplicidade prazerosa em continuar lendo seus textos, em especial, o que está direcionado ao talento! Parabéns

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s